A Literatura, em uma de suas possíveis definições, é a arte de conferir novos significados às palavras. Por meio da arte literária, o escritor extrapola e transfigura a realidade.

 

Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.”

Fernando Pessoa

Para Fernando Pessoa, um dos maiores poetas da língua portuguesa, “escrever é esquecer”. Esse esquecimento, contudo, não afasta o escritor daquilo que é real: ao criar histórias, simular a vida nas páginas de um livro, ele transfigura a realidade, inventa um universo autônomo a partir de verdades que não podem ser mensuradas pelos mesmos padrões das verdades factuais. Por intermédio dos diversos gêneros, formas nas quais a linguagem literária se manifesta, a literatura toma corpo e liberta-se do plano das ideias; transforma-se em um poderoso instrumento de comunicação e interação, difunde a cultura e democratiza o conhecimento.

“A literatura, como toda a arte, é uma confissão de que a vida não basta. Talhar a obra literária sobre as próprias formas do que não basta é ser impotente para substituir a vida”.

Fernando Pessoa

Definir Literatura é tarefa árdua: podemos especular, mas jamais afirmar categoricamente o que ela é. A Literatura está comumente associada à ideia de estética, contudo, nem todo texto literário é capaz de provocar efeito estético ou catarse. A matéria-prima dessa manifestação artística é a palavra, e dela extrai múltiplas acepções, ressignificando ao transportá-la para outros níveis, onde a poesia pode ou não residir — a poesia não depende apenas da mensagem para “existir”, mas também do receptor, aquele que lê.

“Sem leitura não se pode escrever. Tão- pouco sem emoção, pois a literatura não é, certamente, um jogo de palavras. É muito mais. Eu diria que a literatura existe através da linguagem, ou melhor, apesar da linguagem”.

Jorge Luis Borges

Fonte: mundoeducacao.uol.com.br

ÚLTIMAS DO BLOG​